Header Ads

Previdência Social pode ter reforma adiada novamente

Brasil. Depois de ser adiado para depois das eleições municipais, o envio da reforma da Previdência Social pode ser mais uma vez postergado. A ala política do governo Michel Temer defende que a proposta só vá ao Congresso após a aprovação do teto dos gastos públicos no Senado.
Em defesa do novo adiamento, assessores presidenciais dizem que a reforma da Previdência é um tema muito polêmico e que poderia "contaminar" o ambiente dentro do Legislativo e atrapalhar o processo de votação do teto dos gastos.
A equipe de Temer confia na aprovação da PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que limita o crescimento das despesas públicas federais, mas diz que a votação pode ser atrasada e ficar para 2017 se o clima no Congresso ficar muito "conflagrado".
A proposta de adiamento do envio da reforma da Previdência já foi levada a Temer, que ainda não tomou uma decisão final, mas reconheceu que, neste momento, a prioridade é aprovar o teto dos gastos públicos.
Discordância
A área econômica é contra adiar. Avalia que o ideal é encaminhar já a reforma da Previdência pois a Câmara encerrou a votação do teto e pode dedicar tempo a iniciar as discussões sobre as mudanças nas regras da aposentadoria. Inclusive, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse, na última terça-feira, acreditar que o governo envie a reforma da Previdência ao Congresso ainda neste ano, para ser votada em 2017.
De acordo com informações do jornal Folha de S. Paulo, o presidente Michel Temer pode acatar o conselho da ala política caso avalie que realmente a reforma pode prejudicar a tramitação da PEC do Teto.
Os defensores do adiamento alegam ainda que o governo precisa se reunir com as centrais sindicais, governadores e líderes aliados para fechar a proposta que será enviada ao Congresso.
Idade mínima
O governo já definiu que a reforma vai fixar a idade mínima de 65 anos para aposentadoria -nos setores público e privado. As novas regras vão valer para homens com menos de 50 anos e mulheres com idade abaixo de 45. Haverá um período de transição para o novo modelo, que deve ser de 20 anos para as mulheres e os professores e 15 anos para os homens.          (Diário do Nordeste)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.