Header Ads

Recursos do Cinturão das Águas são ampliados em 163%

O lote II, na zona rural de Missão Velha, tem 23%
dos serviços concluídos, porém há mais de um
ano está parado. FOTO: André Costa
Os recursos para as obras do Cinturão das Águas do Ceará (CAC) que vai distribuir a Transposição do Rio São Francisco em várias regiões do Ceará foram ampliados em 163%, nos últimos cinco meses. Entre junho e outubro, o Ministério da Integração Nacional (MI) transferiu R$ 115,7 mi para o governo do Estado, assegurando a continuidade da obra, atrasada em seus cinco lotes.

Reunião

Ontem à noite, o governador Camilo Santana esteve reunido com o presidente Michel Temer, no Palácio do Planalto, para solicitar liberação de verba das obras de infraestrutura e cobrar ações da União para retomada das obras de Transposição das Águas do Rio São Francisco, cujo Eixo Norte que vai transferir recurso hídrico para o Ceará está paralisado desde junho.

O MI informou que o maior volume de desembolso para o CAC ocorreu entre setembro e outubro deste ano, com recursos de R$ 85,7 mi. O empreendimento vai permitir que a água do Projeto de Integração do Rio São Francisco chegue a várias regiões do Estado, inicialmente, ao Açude Castanhão, por meio do Rio Salgado que desemboca no Rio Jaguaribe, no município de Icó, assegurando, dessa forma, o abastecimento da Região Metropolitana de Fortaleza.

Entre janeiro e maio, deste ano, foram liberados R$ 44 milhões, segundo o MI. Os recursos fazem parte do conjunto de medidas para atenuar os efeitos da seca e estiagem em Estados do Nordeste que sofrem com a irregularidade das chuvas há cinco anos. O Trecho 1 do CAC será interligado ao projeto por meio das barragens Jati e Porcos, localizadas entre Brejo Santo e Jati (CE). Quando concluída a etapa mais de um milhão de pessoas serão beneficiadas.

Em outubro foram pagos R$ 103,7 mi, sendo R$ 43,2 mi para o CAC; R$ 28 mi para o Canal do Sertão Alagoano; R$ 25 mi para a Adutora do Agreste; e R$ 7,4 mi para a Vertente Litorânea.

Andamento

No último sábado (5), a reportagem mostrou a situação das obras que objetivam salvar o Estado de um colapso hídrico, com o título ´Obras de transposição soam como promessas distantes´. O trecho principal e mais adiantado do CAC, no momento, é o lote I, com 49% já executados. Ele se concentra na área que receberá as águas da transposição, a partir do município de Jati, no Riacho dos Porcos. O lote II, na zona rural de Missão Velha, tem 23% dos serviços concluídos, porém há mais de um ano está parado. O lote III está com 19%, o lote IV, com apenas 4,26% e o quinto lote (que corresponde aos túneis), com 51% dos serviços executados.                (Diário do Nordeste)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.