Header Ads

Redução do preço da gasolina pela Petrobras não chega aos postos, aponta ANP

13h09 - 04.02.2017

Brasil. O preço da gasolina nos postos de gasolina subiu nesta semana, segundo levantamento divulgado nesta sexta-feira (3) pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o que aponta que a redução dos preços cobrados pela Petrobras nas refinarias ainda não chegou ao consumidor.

Segundo a pesquisa, o valor médio do litro da gasolina no país subiu de R$ 3,765 na semana passada para R$ 3,766 nesta semana. Na última pesquisa divulgada antes do reajuste anunciado pela Petrobras, o preço médio estava em R$ 3,774 – maior valor desde o início da nova política de preços da estatal, anunciada em outubro. Em duas semanas, o recuo foi de apenas 0,22% e não chegou a 1 centavo.

Na última sexta-feira (27), os preços da gasolina e do diesel cobrados pela Petrobras nas refinarias foram reduzidos, respectivamente em 1,4% e 5,1%. Pelos cálculos da estatal, se o reajuste for integralmente repassado ao consumidor, o preço da gasolina nas bombas cairá em 0,4%, ou 2 centavos por litro. Já o valor do diesel diminuirá 2,6%, ou 8 centavos por litro.

Etanol e diesel

O preço do diesel, por outro lado, caiu após 3 semanas seguidas de alta, passando de R$ 3,121 o litro para R$ 3,112 (queda de 0,29%).

Já o preço do etanol caiu pela segunda semana consecutiva, passando de R$ 2,929 o valor médio do litro para R$ 2,920 (recuo de 0,31%).

A pesquisa da ANP foi feita entre os dias 29 de janeiro a 3 de fevereiro. A agência consultou 5.673 postos para calcular a média de preços da gasolina, 5.110 para o etanol e 3.571 para o diesel.

Nova política de preços da Petrobras

Desde outubro, a Petrobras pratica uma nova política de definição de preços dos combustíveis, com reuniões mensais para definir os valores da gasolina e do diesel cobrados nas refinarias. Na reunião anterior, realizada no dia 5 de janeiro, a Petrobras tinha aumentado o preço do diesel e mantido o da gasolina.

Na prática, o preço da gasolina e do diesel passou a flutuar como uma commodity no mercado nacional, alternando quedas e baixas, refletindo tanto os preços internacionais como também o câmbio e concorrência da Petrobras.

Na primeira reunião, em outubro do ano passado, a estatal reduziu em 3,2% o preço da gasolina e em 2,7% do diesel nas refinarias. No mês seguinte, fez uma nova redução na gasolina e diesel, respectivamente, de 3,1% e 10,4%.
Em dezembro, a empresa reverteu a tendência de queda e elevou os preços do litro da gasolina (8,1%) e diesel (9,5%). Na primeira reunião de 2017, no dia 5 de janeiro, a estatal manteve o preço da gasolina e elevou em 6,1% os valores cobrados pelo litro do diesel nas refinarias.

Composição de preços ao consumidor

Segundo a Petrobras, como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, os preços cobrados nas refinarias podem ou não se refletir no preço final ao consumidor. "Isso dependerá de repasses feitos por outros integrantes da cadeia de combustíveis, especialmente distribuidoras e postos revendedores", explica a estatal.

Os postos de gasolina repassam ao consumidor os custos de toda a cadeia do combustível. Além da gasolina pura comprada de refinarias, as distribuidoras também compram de usinas produtoras o etanol, que é misturado à gasolina que será vendida ao consumidor, em proporção determinada por legislação.

As distribuidoras, então, vendem a gasolina aos postos, que estabelecem o preço por litro que será cobrado do consumidor.               (G1)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.