Header Ads

Cid Gomes anuncia candidatura ao Senado

Apontado pelo empresário Wesley Batista, um dos donos da JBS, como recebedor de R$ 24 milhões em propinas, o ex-governador do Ceará e ex-ministro da Educação Cid Gomes (PDT) anunciou neste final de semana que é candidato ao Senado para “não deixar um ladrão assumir meu lugar”.
“O Congresso Nacional precisa de políticos honestos e que trabalhem em nome da população”, disse ele no encontro regional do PDT-Ceará, na cidade de Itarema, no Litoral Oeste do Estado.
Cid Gomes antecipou até a chapa que apoiará para 2018: Ciro Gomes para presidente do Brasil; Camilo Santana para reeleição de governador do Ceará; e ele com o deputado federal André Figueiredo (PDT) para as duas vagas do Estado para o Senado. O ex-governador disse que “o Congresso Nacional precisa de políticos honestos e que trabalhem em nome da população”.
Em delação premiada, Wesley Batista afirmou aos investigadores da Operação Lava Jato que em 2010 e 2014 deu R$ 24 milhões de propinas, a pedido de Cid Gomes para conseguir que o Estado liberasse créditos fiscais de mais de R$ 110 milhões que tinha a receber e estavam atrasados.
Segundo Batista, em 2010 o grupo JBS tinha valores a receber do governo do Estado do Ceará por créditos de ICMS. Os pedidos de propina, segundo ele, foram feitos em dois momentos: na campanha para a reeleição de Cid Gomes no governo, e depois, em 2014, quando ele apoiou Camilo Santana (PT). O petista foi eleito, ao derrotar o senador Eunício Oliveira, do PMDB.
Ainda segundo Wesley Batista, foram pagos R$ 9,8 milhões por meio de contratos fictícios de prestação de serviços. Wesley entregou na delação todas as notas das empresas que emitiram para esquentar o dinheiro da propina e os valores.
Os R$ 10,2 milhões restantes foram pagos de forma dissimulada via doações oficiais de campanha para o candidato Camilo Santana e para candidatos do PROS, antiga legenda dos irmãos Cid e Ciro Gomes.               (O Povo)             Política

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.