Header Ads

EMPREGOS: 51% dos municípios cearenses tiveram saldo positivo no último ano

Sobral foi a segunda cidade em geração de postos
formais em 2017 no Estado, com saldo positivo
de 870 postos. FOTO: Luiz Queiroz
Mais da metade dos municípios cearenses com mais de 30 mil habitantes fecharam 2017 com saldo positivo de emprego formal, segundo informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho. Cerca de 51,5% deles, ou 33 das 64 cidades, geraram vagas com carteira de trabalho no ano passado.

Sobral foi a cidade que obteve o melhor resultado, com a criação de 870 vagas de trabalho formal em 2017. Em seguida, aparecem, Caucaia (850), Morada Nova (760), Horizonte (706), Eusébio (628), Quixeramobim (487), Maracanaú (393), Missão Velha (321), Tauá (315) e Camocim (280).

"A Região Metropolitana de Fortaleza responde por 60% do Produto Interno Bruto (PIB) e consequentemente concentra a geração de emprego. Apesar disso, Fortaleza fechou mais de 3 mil emprego no ano passado", explica o analista de Mercado de Trabalho do Sistema Nacional de Empregos/Instituto de Desenvolvimento do Trabalho (Sine/IDT), Mardônio Costa.

Entre os municípios que mais fecharam vagas em 2017, Fortaleza se encontra na frente com o encerramento de 3.698 postos de trabalho, seguido por Juazeiro do Norte (-1.508), Brejo Santo (-1.122), Aquiraz (-851), Iguatu (-571) e Cascavel (-372).

Dezembro
No mês passado, 68,7% dos municípios cearenses registraram saldo negativo, de acordo com os dados do Caged. "A maioria registrou números negativos porque esse saldo é comum para o período de dezembro", explica o analista. Aquiraz (79), Caucaia (68), Iguatu (45), Quixeramobim (42) e Crateús (36) foram os municípios do Ceará que mais abriram vagas em dezembro do ano passado. Já Fortaleza (-673), Juazeiro do Norte (-558), Barbalha (-323), Itapipoca (-298) e Santa Quitéria (-259) obtiveram os piores resultados para o mês.

De acordo com os dados do Caged, todas as áreas metropolitanas apresentaram resultados negativos no comparativo. Fortaleza obteve neste cenário o segundo melhor resultado de todo o País. A RMF registrou saldo negativo de 1.153 vagas, enquanto que Belém fechou 694 empregos formais.

São Paulo (-43.212), Rio de Janeiro (-12.902) e Porto Alegre (-8.994) lideram a lista. No Nordeste, Salvador (-4.290) e Recife (-1.229) também encerraram vagas de emprego formal.

Regiões
Entre as regiões brasileiras, o Caged indicou que houve saldo positivo na geração de empregos no Centro-Oeste , e no Sul, onde foram geradas 36.823 e 33.395 novas vagas, respectivamente.

No Norte, por sua vez, houve estabilidade, com o fechamento de apenas 26 postos no acumulado do ano, enquanto no Sudeste (-76.600 postos) e no Nordeste (-14.424 postos), o Ministério do Trabalho registrou quedas na geração de emprego.

Estados
O ano passado também foi positivo para o mercado de trabalho de 15 Unidades Federativas brasileiras. O destaque foi para Santa Catarina (29.441 postos), Goiás (25.370 postos), Minas Gerais (24.296 postos), Mato Grosso (15.985 postos) e Paraná (12.127 postos).


Dentre os estados que tiveram redução no número de vagas formais, Rio de Janeiro (-92.192 postos), Alagoas (-8.255 postos), Rio Grande do Sul (-8.173 postos), Pará (-7.412 postos) e São Paulo (-6.651 postos) tiveram os resultados mais expressivos. "São estados que, nos dois anos anteriores, tiveram resultados bem piores. No Rio de Janeiro, por exemplo, as perdas foram de -238.528 em 2016 e -183.151 em 2015", destaca Helton Yomura.            (Diário do Nordeste)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.