Header Ads

Exportações aumentaram 29% em Juazeiro do Norte, no primeiro trimestre

Os setores que mais exportaram foram de sumos de frutas e calçados. A maioria dos produtos é vendida para países da América Latina. FOTO: Antonio Rodrigues

Juazeiro do Norte registrou, no primeiro trimestre de 2018, um aumento na exportação e importação, segundo os dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Houve um crescimento superior a 29% em exportações e mais de 9% em importações, se comparados a igual período de 2017. O valor total movimentado ainda é pouco se comparado a outras regiões brasileiras, mas criou uma expectativa positiva para os próximos anos.

As exportações registraram um valor de US$ 215 mil, neste ano, enquanto, em 2017, foram US$ 166 mil movimentados. Os setores que mais exportaram foram de sumos de frutas e calçados. A maioria dos produtos á vendida para países da América Latina. Já na importação, em 2018, atingiu US$ 1 milhão, enquanto ano passado foram calculados US$ 914 mil. No último caso, os setores de maior destaque foram de máquinas de costura e de papéis e cartões. A compra é feita, principalmente, da Ásia, de países como China, Cingapura e Taiwan.

O mês de janeiro teve o principal destaque, registrando um aumento de 253% nas exportações em relação a igual período de 2017, enquanto a importação subiu 167% se comparada ao ano anterior. No entanto, todos os outros meses também tiveram resultados positivos. De acordo com o secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico e Inovação (Sedeci), Michel Araújo, isso aconteceu porque houve poucas atividades naquele período. "Antes não havia controle. Desde que assumimos, a gente vem acompanhando mês a mês", explica.

Apesar do número alto, a expectativa da Pasta é que o crescimento seja acima da média do Brasil. Para isso, a Sedeci iniciou o registro destas informações a partir do ano passado. Desde então, tem sido feito o comparativo. A ideia é dar apoio e ampliar o fortalecimento da indústria em Juazeiro do Norte. Há duas semanas, inclusive, a Pasta firmou parceria com o Centro Internacional de Negócios da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec) para identificar as demandas e fazer capacitações com os empresários.

"A gente faz visitas diárias a alguma indústria, acompanhando e procurando o interesse sobre exportações e importação", acrescenta Michel. Isto culminou na realização do Fórum de Oportunidades e Promoção da Cultura Exportadora, realizado no último dia 23 de fevereiro, no Centro de Convenções, promovida pela Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico (SDE), pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) e seu Conselho Nacional das Zonas de Processamento de Exportação (CZPE).

Além das indústrias exportadoras, hoje Juazeiro do Norte se destaca nacionalmente pelos setores de calçados, semijoias e metal-mecânica, que produzem panelas de alumínio, este último, o maior do Nordeste.

"A gente está iniciando o polo moveleiro, gráfico e tentando retomar o polo de confecções, mas ainda vem no ritmo menor. A expectativa é que estas áreas podem, daqui há alguns anos, abrigar um cenário de destaque em nível nacional", projeta Michel.

Requalificação

No Fórum de Oportunidades e Promoção da Cultura Exportadora no Cariri foi assinado o Termo de Requalificação do Distrito Industrial do Cariri. Agora, a região será adequada para uso múltiplo, agrupando outras atividades de pequeno porte, de serviços e equipamentos públicos. Com isso, estão sendo investidos R$ 1,33 milhão para a elaboração do Plano Diretor da área. Os estudos já começaram e a empresa tem um prazo de até 10 meses para conclusão. Os resultados devem sair no fim do ano e, a partir daí, poderá se projetar quais as carências e áreas a serem investidas.

Reforma do Aeroporto

No último dia 19 de fevereiro, foi iniciada a obra de reforço do pátio de aeronaves do Aeroporto Orlando Bezerra de Menezes. Com a reforma, o equipamento poderá receber aeronaves maiores, sem nenhuma restrição, e ampliar o movimento. Foram investidos cerca de R$ 2,6 milhões no reforço e ampliação do pátio, além da recuperação de duas taxiways, faixas que permitem o taxiamento dos aviões.

Com previsão de terminar em setembro deste ano, a obra classificará o pátio com o mesmo PCN (índice de resistência do pavimento) da pista, permitindo o pouso de aeronaves maiores, como A 320 e Boeing 737-800, sem qualquer restrição. A expectativa é que, com a requalificação da pista, o equipamento aumente o número de exportações e importações em Juazeiro do Norte. Ano passado, o Município registrou um crescimento no número de cargas aéreas de 62%. "Sem sombra de dúvidas os números vão aumentar, pois vai permitir aviões de maior porte, com porões maiores para abrigar as cargas", acredita Michel.

(Diário do Nordeste)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.