Header Ads

Ceará tem 5º maior potencial em geração distribuída


Além das grandes usinas, o Ceará também desponta no segmento de geração distribuída, modalidade na qual pequenas centrais geradoras são ligadas diretamente na rede. O Estado tem o quinto maior potencial do País, com 29,8 megawatts (MW), 6,8% do potencial do Brasil, e o oitavo maior número de unidades geradoras (1.229), segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Hoje, o segmento é liderado por Minas Gerais, responsável por 27% da capacidade brasileira, com 120,0 MW produzidos em 7.654 unidades geradoras. Em seguida, na frente do Ceará, aparecem os estados do Rio Grande do Sul (59,6 MW), São Paulo (51,7 MW) e Santa Catarina (34,4 MW).

Diferente do que ocorre no setor de grandes usinas, no qual as eólicas ainda respondem por mais de 90% do potencial instalado de energias renováveis, na geração distribuída a matriz fotovoltaica é responsável quase 100%do potencial instalado no País, que soma 479,5 MW. No Ceará, as unidades fotovoltaicas respondem por 98% do total da geração distribuída.

Inicialmente, quando os primeiros equipamentos de geração solar começaram a chegar no País, o preço por kilowatt gerado era significativamente superior aos atuais e a eficiência bastante inferior, o que acabou desanimando os investidores, que não obtiveram o retorno no tempo esperado. No entanto, com a evolução do sistemas e redução dos custos de produção e distribuição, a utilização de placas solares vem crescendo de forma exponencial.

Segundo o engenheiro eletricista Luciano Maciel de Albuquerque, a cada ano, o custo de instalação de um pequeno sistema de geração solar vem caindo em torno de 20%. E o retorno, em economia na conta de luz, retorna em cerca de 7 anos, para equipamentos cuja vida útil chega a 20 anos. "O investimento em microgeração está diretamente relacionado à economia na conta de energia. E, para isso, hoje você tem todo tipo de incentivo para financiar a instalação seja em residência como em uma indústria. Então é crescente o interesse e os investimentos", ele diz. Albuquerque diz que há cerca de oito anos, o custo de 1 MW saia em torno de R$ 8 milhões e hoje o valor caiu para R$ 3 milhões. "A eficiência dos equipamentos cresceu muito, os custos de importação caíram. Antes era preciso ter grandes áreas para produzir energia solar. Agora, com uma área menor se produz muito mais e cada vez mais as concessionárias estão facilitando a conexão desses sistemas à rede", diz.     (Diário do Nordeste)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.