Header Ads

Cearense ainda investe pouco em previdência privada


Com o sistema previdenciário público brasileiro beirando um rombo de R$ 300 bilhões e na pauta permanente das reformas estruturais, analistas reforçam a necessidade dos produtos privados de poupança, abertos ou fechados, como opção para quem busca tranquilidade financeira na terceira idade. Mesmo considerando o cenário, apontado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em que até 2060, um a cada quatro brasileiros será considerado idoso, os aportes realizados, no primeiro semestre de 2018 em planos de previdência privada aberta no Ceará representam apenas 2,3% dos investimentos totais do Brasil. Dos R$ 51,42 bilhões registrados pela Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi), em novos aportes nos planos de previdência privada aberta - gerenciados por instituições financeiras, como os bancos -, apenas R$ 1,83 bilhão é referente ao Ceará.

Já no mercado de previdência complementar fechada, no qual a administração é feita por fundos de pensão voltados a classes laborais, por exemplo, cinco instituições acumulam, no Estado, R$ 6,38 bilhões em ativos. No País, segundo dados da Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp), os investimentos totais são do patamar de R$ 810,89 bilhões.



Para o economista Alex Araújo, os números no Ceará para a previdência privada estão dentro da realidade estadual, considerando a fatia de participação no Produto Interno Bruto (PIB) nacional, que se mantém no mesmo patamar. No entanto, o economista afirma que o cenário de incertezas do sistema previdenciário público, a médio e longo prazo, deveria ter alertado as pessoas a procurarem outras alternativas para não dependerem apenas dos benefícios públicos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). (Diário do Nordeste)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.