Header Ads

Gestão Bolsonaro começa a sair do papel com definição de ministros


Onyx Lorenzoni (centro) e Paulo Guedes (à esq.) são
nomes confirmados para a Esplanada dos Ministérios. FOTO: AFP
O futuro governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) começa hoje a sair do papel. Às 16h, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), futuro ministro da Casa Civil, se reunirá com o atual ministro da Pasta, Eliseu Padilha, em Brasília. Ele também deve visitar a sede da equipe de transição, no Centro Cultural Banco do Brasil.

Bolsonaro só deve viajar para a Capital Federal na próxima terça-feira, quando deverá se encontrar com o presidente Michel Temer (MDB) para tratar da travessia para 2019.

Já foram escolhidos 80% dos nomes que vão ocupar a Esplanada dos Ministérios, a partir de 1º de janeiro de 2019, data da posse. Na próxima segunda-feira, deverá ocorrer o anúncio oficial dos futuros ministros (fala-em em 15 ou 16). Ontem, foi confirmada a promessa de campanha de reduzir o número de ministérios (hoje são 29 - eram 39 na gestão de Dilma Rousseff), com base em seu plano de redução da máquina pública.

O economista Paulo Guedes será o superministro da Economia, que unirá as pastas da Fazenda, do Planejamento e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Haverá ainda a fusão das pastas da Agricultura e do Meio Ambiente. O Ministério das Cidades, alvo de diversas denúncias nas gestões do PT, também será extinto.

A justificativa é que o novo governo vai mudar a forma de interlocução com os prefeitos e governadores e, por isso, a Pasta não terá mais serventia.

O objetivo do encontro entre Lorenzoni e Padilha é já levar os nomes da equipe indicada por Bolsonaro para o governo de transição.

A lista será entregue a Padilha para publicação no Diário Oficial da União (DOU), o que permite que os indicados por Bolsonaro comecem a trabalhar com dados do governo.

Já circulam críticas sobre as decisões de Bolsonaro. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) criticou, ontem, o fim do Ministério da Indústria e Comércio. "Tendo em vista a importância do setor industrial para o Brasil, que é responsável por 21% do PIB nacional e pelo recolhimento de 32% dos impostos federais, precisamos de um Ministério com um papel específico, que não seja atrelado à Fazenda, mais preocupada em arrecadar impostos e administrar as contas públicas", afirmou o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, em nota.

A CNI não foi a única a tecer críticas. O presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e Confecção (Abit), Fernando Pimentel, afirmou que é "equivocada" a decisão da equipe de Bolsonaro de acabar com o MDIC. "Não vejo o Brasil dando certo sem uma indústria relevante. Colocar a indústria como Secretaria ou algo assim é diminuir sua importância", acrescentou.

Já o astronauta Marcos Pontes confirmou que aceitou o convite para ser o ministro da Ciência e Tecnologia. "Assumo o ministério, fico os quatro anos e depois, eventualmente, posso entrar no Senado para continuar o trabalho dentro do Congresso", disse.

O juiz Sérgio Moro, da Lava-Jato, sinalizou, ontem, sobre o convite para o Ministério da Justiça ou vaga no Supremo Tribunal Federal (STF). Em nota, ele declarou que o convite "será objeto de ponderada discussão e reflexão".      (Diário do Nordeste)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.