Header Ads

Meu futuro político está nas mãos do senador Tasso Jereissati, diz General Theophilo


Candidato pela primeira vez, General Theophilo (PSDB) votou
na manhã deste domingo (7), na Aldeota. FOTO: Saulo Roberto
Com 8% das intenções de voto na última pesquisa Ibope para o Governo do Estado, o candidato do PSDB, General Theophilo, disse, ao votar na manhã deste domingo (7), que "a eleição se decide na urna" e que, por isso, acredita que pode chegar a eventual segundo turno. Caso não tenha êxito na empreitada, porém, ele ressaltou que deixa o futuro político "na mão do senador Tasso Jereissati".

"(Tasso) É o nosso grande líder político. Ele vai fazer uma avaliação, uma estratégia de como nós vamos conduzir, vamos reestruturar o partido, o que vamos fazer. Está nas mãos do senador Tasso Jereissati", respondeu, ao ser questionado sobre os planos pós-eleição, caso não chegue ao segundo turno.

Em entrevista ao Diário do Nordeste em setembro, o militar reformado criticou tucanos "infiéis", que apoiam a reeleição do governador Camilo Santana (PT),  e admitiu sair da política após a eleição, em caso de derrota, para seguir carreira como professor universitário. Ao votar neste domingo, ele voltou a defender que, em todo o País, as legendas precisam "incentivar mais a fidelidade partidária".

"Tem que acabar com o toma lá, dá cá, o balcão de negócios, no Brasil inteiro e no Ceará principalmente, porque nós temos uma oligarquia dominando o nosso Estado há mais de 12 anos. São 24 partidos atrás de repartir esse bolo que é pequeno. O Estado está inchado", criticou. General Theophilo sustentou que o governo "precisa de gestão e de autoridade".

Diferenças
Ao avaliar a primeira campanha como candidato, ele comparou o meio político com o Exército brasileiro. "O que falta mais é honestidade, firmeza de propósito, gestão da coisa pública, isso a gente sente muito, para quem veio do Exército, uma instituição que tem 80% de credibilidade da sociedade e chega num meio que tem quase só 5% de credibilidade", declarou.

General Theophilo votou às 11h05 no BNB Clube, na Aldeota. Ele chegou ao local acompanhado da esposa, Silvana Theophilo, e da candidata a vice-governadora, Emília Pessoa (PSDB). Ele optou por não usar prioridade como candidato e aguardou cerca de 20 minutos na fila até votar. Nesse intervalo, enquanto a imprensa tentava entrevistá-lo, um analista do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE) pediu que os jornalistas suspendessem entrevistas na fila, pois, segundo ele, isso poderia configurar crime de boca de urna.      (Diário do Nordeste)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.