Header Ads

Alimentos que iriam para o lixo são doados; Juazeiro e Iguatu se beneficiam

Ceasa de Maracanaú, na Região Metropolitana de Fortaleza.
FOTO: Reprodução
Frutas e legumes que, para os compradores, não são atrativas por um arranhão na casca, aparência diferente ou deformada, tem muita serventia para quem necessita de alimento. Na Central de Abastecimento do Ceará (Ceasa-CE) de Maracanaú, o aproveitamento desses alimentos “rejeitados” vem crescendo ano a ano. Juazeiro do Norte e Iguatu estão entre as cidades que recebem e reaproveitam as hortaliças, frutas e legumes que iriam pro lixo.

Um dos projetos beneficiados com as doações da Ceasa é o Mesa Brasil Sesc, a partir dos bancos de alimentos localizados em Fortaleza, Juazeiro do Norte, Sobral e Iguatu. De janeiro a outubro deste ano, foram 2.683.789 quilos de alimentos doados, beneficiando 449 entidades sociais e atendendo a 202.340 pessoas de 40 municípios cearenses.

De janeiro a outubro de 2017, o total de aproveitamento na Ceasa de Maracanaú foi de 819,52 toneladas; no mesmo período desse ano foram 863,70 toneladas, 5,4% a mais. São laranjas, mangas, tomates, folhagens e outros produtos que deixam de apodrecer no Aterro Metropolitano Oeste de Caucaia (Asmoc).

O espaço também é procurado por entidades filantrópicas, hospitais, escolas, comunidades terapêuticas e entidades religiosas, que geralmente utilizam os alimentos para produzir sopão.

Odálio Girão, analista de mercado da Ceasa, afirma que os comerciantes costumam ser abertos e solidários e ainda têm ganhos financeiros, já que deixam de pagar o transporte dos resíduos até o Asmoc. “Claro que o aproveitamento podia ser bem maior, com mais entidades participando”, diz ele. As instituições podem procurar a administração do equipamento e ficam livres para conversar com os comerciantes e estacionar os veículos para recolher os alimentos.       (O Povo)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.