Header Ads

Ler para os bebês facilita a formação de novos leitores e a interação familiar

Naira e os filhos Zion e Axel: família estimula a leitura em diversos
horários da rotina dos bebês. FOTO: Thiago Gadelha
A busca dos pais para incentivar seus filhos a criar apreço pela leitura, por si, já é um passo valioso. No entanto, como fazer as crianças se afetarem pelos livros, logo na primeira infância - fase reconhecida como a mais “absorvente” na vida do ser humano, torna-se um desafio para os cuidadores. Junto aos bebês, ou seja, entre os pequenos de 0 a 3 anos e meio de idade, os adultos desenvolvem o cuidado frente à tendência de falta de concentração dos filhotes, por exemplo, dentre outras limitações.  

No entanto, segundo a contadora de histórias e pedagoga Carol Bittencourt, a expectativa dos pais deve ser deixada de lado, para que o hábito se estabeleça de uma maneira mais prazerosa. Quando o adulto senta com um livro e conta uma história, é normal que a criança se desconcentre, faça outra coisa, e oscile o interesse entre a leitura e outros estímulos do ambiente.   

"A gente imagina que vai sentar, contar uma história, a criança vai ouvi-la, e será mágico, mas não é assim que funciona. Os bebês estão na fase oral e tudo querem tocar, experimentar, colocar na boca. Como a gente está falando de formação de hábito, é importante levar os livros, propor a leitura. Mas é bem comum que a criança se disperse, e tudo bem”, expõe Carol.  


Mãe de Ana, 1 ano e meio de idade, a pedagoga observa que os pais precisam ter o desprendimento material também, em relação aos livros. Se o bebê rasgar o livro, faz parte da interação. O que importa, ainda, é atentar para a escolha das publicações, sem subestimar a inteligência da criança.  

“Numa livraria, quando você busca livros para crianças de até três anos, é comum você encontrar aqueles cartunados, ou livros de banho. Mas, na grande maioria, eles não têm um enredo bonito, uma história, uma ilustração. Então é importante que os pais escolham um livro que lhes agradem também”, orienta. 

A pedagoga reflete como o hábito de ler para as crianças pode ser uma tarefa bem agradável para os pais. Como mediador da leitura, o adulto precisa acreditar no texto que está lendo e sugerir, à criança, que se envolva com as imagens e demais elementos da narrativa, para além da “moral da história”.
  
"Que você imagine o lugar, faça uma voz de suspense, acelere o ritmo. E essa brincadeira só vai acontecer se toda a família gostar daquele livro. Fazer perguntas do tipo ‘quem você queria ser nessa história?’. Isso contribui muito na formação desse leitor”, distingue Carol Bittencourt.          (Diário do Nordeste)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.