Header Ads

Entenda a síncope vasovagal e por que Cid Gomes precisou ficar de pernas para cima



Um dos assuntos, e imagens, da semana ocorreu durante pronunciamento no Senado Federal na última terça-feira, 3. O senador Cid Gomes (PDT-CE) passou mal e desmaiou durante seu discurso. O parlamentar foi socorrido por colegas da casa e teve sua saúde restabelecida. O caso do pedetista trata-se de um quadro que pode afetar qualquer pessoa: a síncope vasovagal.

Síncope é a perda súbita e transitória de consciência onde o indivíduo acorda espontaneamente. Segundo o médico Ronaldo Távora, especialista em arritmia cardíaca, - em entrevista -, existem vários tipos de síncope e, no caso da vasovagal, o paciente apresenta grande quantidade de sangue concentrada nos membros inferiores, fato que dificulta a circulação do fluido pelo restante do corpo, especialmente pelo coração e cérebro.


O médico elucida que a síncope vasovagal não é uma doença, mas neurorreflexos que todas as pessoas possuem, reagindo de formas diferentes. "As pessoas reagem de formas diferentes a dor, e também reagem de formas diferentes aos neurorreflexos", exemplificou.

Quando chega pouco sangue no cérebro, ele manda sinais para o coração com o objetivo de tentar manter a mesma quantidade do fluido circulando na região. Consequentemente, o coração bate mais rápido e mais forte, para suprir a necessidade, mas ele bombeia com pouca quantidade de sangue.

"O coração reenvia sinais para o cérebro informando que aquela ação foi excessiva e, por isso, o cérebro sinaliza para que os vasos se relaxem (vaso) e bata mais lento (vagal). Desta forma, a pressão arterial despenca e o indivíduo perde transitoriamente a consciência e o tônus postural, daí a queda", explicou Távora.

Após a publicação da matéria relatando o incidente de Cid, na terça-feira, 3, vários seguidores do jornal O Povo questionaram a posição que o senador ficou ao ser atendido pelos senadores Nelson Trad e Otto Alencar, ambos do Partido Social Democrático, PSD. O cearense foi posicionado com costas no chão e as pernas para cima, fator que - de acordo com Ronaldo -, facilitou o retorno da consciência do pedetista.

"Deitado, o sangue que outrora estava nas pernas retorna mais rápido ao coração e isso aumenta o volume de sangue ejetado (débito cardíaco), normalizando o fluxo cerebral em poucos segundos. Por isso o indivíduo acorda rápido embora fique tonto ainda por alguns minutos", explicou o especialista.

"Alguns indivíduos são mais sensíveis do que os outros e algumas situações podem potencializar um possível desmaio. Até 15% da população pode ter algum desmaio em algum momento da vida", adverte o profissional.

Quais são os sintomas
O médico indica alguns sintomas que são comuns em pacientes com síncope de vasovagal, mas alerta que é necessário procurar sempre orientação médica para ter diagnóstico mais preciso.

"O paciente apresenta turvação visual, começa a ver pontos regressivos e a visão vai escurecendo de fora para dentro. Em poucos segundos ele pode retornar a consciência. A recuperação é rápida", afirmou. Ronaldo também revela que alguns métodos popularmente utilizados quando há algum desmaio - como fazer o paciente inalar álcool etílico -, não são eficazes quando há uma síncope vasovagal. "Deitar a pessoa é a melhor escolha. Isso melhora o retorno renoso do sangue para o coração. Mas a principal coisa a se fazer é uma consulta cardiológica".

Locais fechados, com grande aglomeração de pessoas - como igrejas, praças esportivas e shows -, má alimentação e passar muito tempo em pé potencializam a síncope vasovagal.

Cuidados
Algumas atitudes podem ser tomadas para que a síncope vasovagal seja controlada. Estar bem hidratado e alimentado e fazer exercícios físicos que privilegiem os membros inferiores colabora para minimizar os efeitos.

Ronaldo, no entanto, adverte que se o paciente não reagir bem a esses métodos, precisa passar por uma reabilitação autonômica, orientados - na grande maioria das vezes -, por fisioterapeutas. Isso vai possibilitar que o paciente se adapte a situações que podem provocar desmaios.

Outros casos  
E esta não foi a primeira vez que o pedetista passou mal em público. Enquanto governador do Ceará em 2014, Cid desmaiou durante a convenção do PDT às vésperas de lançar Camilo Santana (PT) como candidato ao governo do Estado. Os outros episódios ocorrem em 2012, na assinatura da ordem de serviço do Hospital Regional do Sertão Central, em Quixeramobim, e na inauguração de uma policlínica em 2013, no município de Limoeiro do Norte.                

(O Povo)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.