Header Ads

Morre o comerciante “Silva da Casa Rosada” muito conhecido em Juazeiro



O comerciante Francisco Antônio da Silva, de 71 anos, que residia no Sítio Gavião na zona rural de Juazeiro do Norte, morreu por volta das 4 horas da madrugada desta sexta-feira num dos leitos de UTI do Hospital São Vicente de Paulo de Barbalha. “Silva da Casa Rosada” – como era conhecido - estava internado desde o dia 16 de agosto quando foi submetido a uma cirurgia e já vinha se tratando de um câncer na perna diagnosticado há alguns meses e que levou a amputação.

Até às 18 horas desta sexta-feira o velório será na casa onde a esposa Rosa Barbosa da Silva morava na Rua São Francisco, 1065 perto da Igreja do São Miguel. Logo depois, no centro de Velório Anjo da Guarda, onde às 16 horas deste sábado será celebrada Missa de corpo presente seguida do sepultamento no Cemitério Parque Anjo da Guarda.

Ele nasceu em Juazeiro no dia 12 de julho de 1948 e aqui casou com Rosa com quem teve os filhos: Luciana (professora), Renata (administração de empresas), Cícero Augusto e Adolfo Antonio, que são autônomos. Silva era uma pessoa comumente vista no centro comercial de Juazeiro, pois foi ali onde trabalhou durante cerca de 40 anos numa mesma área entre as ruas Conceição e São Francisco. Ele começou ainda jovem como funcionário de Manoel Coelho de Alencar na conhecida Casa Alencar

Daí então não largou mais o ramo de tecidos e confecções assumindo o comando da Casa Rosada em sociedade com o amigo Inácio Job durante 16 anos. Na separação, Silva ficou com a Casa Rosada para os lados da Rua São Pedro e Inácio com a Casa da Gente na Rua da Conceição. Já aposentado e cansado da atividade, decidiu fechar o negócio no ano de 2010 junto com as filiais de Icó e Várzea Alegre (CE), Caxias e Santa Inês (MA) e Paragominas (PA).

Silva era devoto de São Francisco e um apaixonado pelo futebol sem esconder de ninguém o seu amor pelo Guarani de Juazeiro. Ele foi um dos primeiros habitantes do Sítio Gavião, onde fixou residência há 30 anos mesmo mantendo a casa na Rua São Francisco. Na zona rural tinha o acompanhamento constante de um médico que o visitava, além de fisioterapeuta e enfermeiras. É que, com o antigo ferimento na perna, contraiu uma bactéria quando teve que ser submetido a uma cirurgia de alto risco e não resistiu.

(Fonte: Site Miséria)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.