Header Ads

Temperaturas no Ceará estão até três graus mais altas que o esperado

FOTO: Fábio Lima
Apesar de dezembro e janeiro serem os meses mais quentes do ano no Estado, cearenses vêm sofrendo com o calor desde o outubro. Segundo o meteorologista Davi Ferran, da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), este novembro tem registrado temperaturas de dois a três graus Celsius acima do esperado. "Desde maio, as anomalias de temperatura se mostram mais quentes que o normal em pelo menos um grau", destaca. 

Ferran explica que embora as máximas registradas apresentem tal aumento, as mínimas permanecem dentro das normais climatológicas. "As causas são difíceis de precisar, alguns atribuiriam ao aquecimento global, mas não é possível definir", afirma. Ele conta ainda que fatores como a diminuição da velocidade dos ventos e o aumento da umidade elevam a sensação térmica para além dos números dos termômetros. "Esses aspectos ainda devem se acentuar nos próximos dois meses", alerta. 

Máximas e mínimas
No Estado, de acordo com a Funceme, os municípios com maiores temperaturas nessa segunda-feira, 25, foram: Jaguaribe (38,5°C), Sobral (38° C), Crateús (37,6°C) e Morada Nova (37,4°C). Na Capital, o maior valor registrado foi de 34°C. Já a mínima foi de 26°C nesta terça-feira, 26. "Hoje, foi relativamente alta porque os ventos que prevaleceram foram aqueles vindos do mar em direção ao continente, os quais são mais quentes nesse momento do dia", explica o meteorologista. 

Em outubro, Fortaleza registrou temperatura máxima média de 31,9°C, conforme balanço do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). O dado representa um desvio de 0,7°C acima da normal climatológica e corresponde a 5ª maior temperatura máxima média registrada em outubro dos últimos 19 anos. 

Cuidados com a saúde
Enquanto os termômetros seguem em alta, o nosso organismo parece pedir socorro. O calor causa um maior relaxamento das artérias, que se dilatam em todas as áreas do corpo. Essa vasodilatação e pode gerar sensação de cansaço, fadiga, queda na pressão arterial e até desmaios. A temperatura elevada também aumenta o metabolismo, que passa a produzir mais suor para se proteger. Essa proteção pode se tornar um problema se o líquido perdido não for reposto. Com menos líquido, o corpo perde seu equilíbrio, tem mais dificuldade para o sangue circular no rim e desidrata. 

Nos postos de saúde, as doenças gastrointestinais levam as pessoas a formar filas em busca de atendimento. O calor facilita a decomposição dos alimentos e, consequentemente, a contaminação. Além disso, algumas viroses sazonais típicas desta época do ano também podem levar a quadros de desidratação. Náuseas, vômitos, dor de barriga e diarreia são os sintomas mais comuns. 

Ingerir bastante líquido e ter cuidado redobrado com a higiene são formas de evitar as complicações. A alimentação é uma grande aliada: comidas leves como as frutas, verduras, legumes, folhas verdes são ricos em água, vitaminas e minerais, além de ajudarem a hidratar o corpo e facilitarem a digestão. 

Dicas para evitar a desidratação e amenizar o calor 
- Beber água é a chave para evitar a desidratação. O ideal é que ela esteja abaixo da temperatura ambiente, o que possibilita a troca de calor e refresca o corpo. 

- Um banho gelado ou colocar uma toalha molhada no pescoço, pulsos e virilha também ajudam a refrescar. A lógica é a mesma da ingestão de água: se a temperatura estiver abaixo do registrado no ambiente, proporciona troca de calor. 

- Se o calor causar mal estar, o melhor a fazer é procurar algum lugar para deitar. Permanecer na posição horizontal faz o sangue circular melhor e chegar mais facilmente ao cérebro, evitando o desmaio. 

- Os alimentos amigos do organismo nesse período são água mineral, água de coco, chás e sucos de frutas sem açúcar. Frutas e vegetais serão boas escolhas. Por outro lado, evite alimentos processados industrializados, queijos e carnes gordos, embutidos (linguiça, salsicha, mortadela e salame) e bebidas alcoólicas, eles são mais difíceis de digerir, trazem menos benefícios nutricionais e podem até contribuir para a desidratação. 

- Protetor solar, roupas leves de mangas compridas, chapéus ou bonés e guarda-chuvas são bons companheiros para se proteger do sol.                      (O Povo)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.