Header Ads

Auxílio emergencial e estado de calamidade não serão prorrogados em 2021, diz Guedes


Em entrevista a alguns jornalistas, nesta quarta-feira (7), o ministro da Economia, Paulo Guedes, negou que o auxílio emergencial ou o estado de calamidade serão prorrogados para além de dezembro. De acordo com o titular da pasta, não há nenhuma articulação nesse sentido. As informações são da Agência Reuters. “Tem um plano de auxílio emergencial que vai até o fim de dezembro. 

Tem um estado de calamidade pública que vai até o fim de dezembro. E no fim de dezembro acabou tudo isso, ponto”, afirmou Paulo Guedes, acrescentando que "o ministro da Economia está descredenciando qualquer informação a respeito de prorrogar isso ou aquilo”.

Nas redes sociais, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), publicou uma matéria sobre a fala do ministro da Economia e informou que "a posição da presidência da Câmara é a mesma". 

Renda Cidadã 
O fato ocorre em meio ao impasse quando à formulação do Renda Cidadã, programa social que substituirá o Bolsa Família, que causou um desconforto entre alguns representantes do Governo Federal, inclusive entre Paulo Guedes e Rodrigo Maia, quando ao financiamento do Renda Cidadã. 

A proposta do Governo Federal é que o auxílio emergencial efetue o pagamento de cinco parcelas de R$ 600 (R$ 1,2 mil para mães solteiras) e o pagamento de metade desse valor em parcelas adicionais até dezembro. O auxílio emergencial terá um custo total de 321,8 bilhões em 2020, atingindo mais de 60 milhões de pessoas por mês.

(Diário do Nordeste)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.