Header Ads

Em Fortaleza, setembro foi o mês mais quente desde 1961

Beber água, usar chapéu e protetor solar são dicas
fundamentais Foto: Ivan Kruk/Shutterstock

O calor intenso sentido nas últimas semanas, em Fortaleza, já pode ser considerado histórico: segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), em 2020, a Capital teve o mês de setembro mais quente dos últimos 59 anos. 

“Como os sistemas frontais não conseguiram avançar além do Sul do País, a bolha quente de ar ficou aprisionada no interior do continente, e, como a gente saiu do inverno e entrou na primavera, a terra começa a gradativamente esquentar. E a atuação dessa massa de ar seco potencializou esse aquecimento”, explica Morgana Almeida, meteorologista do Inmet. 

Segundo ela, a tendência é de que as temperaturas continuem subindo até o fim deste ano. 

O período exige, em especial, cuidados com a pele: chapéus e bonés, óculos escuros e blusa de manga comprida tornam-se essenciais, assim como o uso de protetor solar, inclusive por debaixo da máscara, conforme enfatiza a dermatologista Hercília Queiroz. 

“Se a pele é mais oleosa e o paciente já sentiu um aumento de umidade, sim, orienta-se que possa haver uma mudança de máscara, e se nesse momento houver um controle de oleosidade, conseguir reaplicar o filtro solar ou mesmo realizar uma pequena limpeza da pele, depende da rotina do paciente”, alerta. 

A combinação entre altas temperaturas e a umidade do ar também traz prejuízos para o meio ambiente. Ainda em setembro, o Ceará registrou 440 focos de incêndios, sendo 50 deles em um único dia. Este foi o maior registro dos últimos 23 anos. 

“Esse ano supera 2019, porque eles estão muito mais complexos, mais difíceis de controlar. São incêndios mais violentos, que vêm com mais força”, afirma o tenente Waldomiro Loreto, especialista em incêndios florestais do Corpo de Bombeiros.

(Diário do Nordeste)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.