Header Ads

Repovoamento de açudes e boas chuvas podem assegurar safra recorde de peixes

FOTO: Honório Barbosa

A expectativa de agricultores e de técnicos do governo estadual é de boas chuvas em 2021, mesmo ainda sem previsões dos meteorologistas. Acreditando em um cenário favorável, até o fim deste ano 5,2 milhões de alevinos serão colocados em mais de 500 pequenos e médios açudes públicos e comunitários. O programa de peixamento dos reservatórios visa garantir segurança alimentar para 60 mil famílias ribeirinhas no interior cearense. 

Se as boas chuvas esperadas ocorrerem para aumento do nível dos açudes, a safra estimada de 2021 é de mais de 2,5 mil toneladas de pescado, segundo previsão da Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDAA), que há quatro anos vem intensificando o repovoamento dos reservatórios no sertão do Ceará. Em 2020, foi de duas mil toneladas. 

Nesta semana, ocorreu a segunda etapa de peixamento em seis açudes do município de Cedro, na região Centro-Sul do Ceará. As comunidades de Agrovila, Barreiros, Angico, Juá, Buraco d’Água, Saco da Telha e Marrecas foram beneficiadas com a colocação de 80 mil alevinos das espécies tilápia e curimatã. Em março passado, já haviam sido entregues 150 mil peixinhos. 

O titular da SDAA, De Assis Diniz, participou do evento em Cedro e explicou que é preciso ocorrer o repovoamento “antes do período chuvoso para que os peixes cresçam e cheguem ao tamanho e peso ideais para o consumo com a cheia dos açudes na próxima quadra chuvosa”. 

Na beira d’água, o pescado de 700kg é vendido por R$ 5,50, mas nesse período do ano fica escasso porque já houve duas safras e os açudes estão com volume de água reduzido. 

Em Cedro, “o pescado oriundo da agricultura de base familiar é adquirido para a merenda escolar e ainda contribui para ampliar a renda das famílias locais”, pontuou o prefeito, Nilson Diniz. 

A SDA informou que neste ano serão distribuídos 5,2 milhões de alevinos das espécies mais comuns e apreciadas pelo sertanejo. O investimento será de R$ 538 mil. Entre seis meses e um ano espera-se uma produção de 2,5 mil toneladas de peixe para a segurança alimentar das famílias assistidas com o projeto (agricultores de base familiar e pescadores artesanais). 

O povoamento dos reservatórios públicos e comunitários visa repor o estoque de pescado perdido no longo período de estiagem entre 2013 e 2018. Em 2019 e 2020, houve uma melhoria na distribuição pluviométrica no interior, beneficiando uma maior quantidade de açudes que registraram reposição de nível de água. 

O secretário de Agricultura de Cedro, Manoel Bezerra, frisou que o repovoamento “garante a pesca para o consumo próprio” e disse ter “fé e esperança que teremos um grande inverno em 2021”.

(Fonte: Diário do Nordeste)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.