Header Ads

Ceará não atinge meta de vacinação contra aftosa em 2020


Em 2020, as duas campanhas de vacinação contra a febre aftosa não alcançaram a meta de 90% de imunização do rebanho definida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Na segunda etapa, foram vacinados apenas os animais de até 24 meses de idade. O índice de cobertura ficou em 86,35%, que corresponde a 834 mil bovinos. Os dados são da Agência de Desenvolvimento Agropecuário (Adagri) do Ceará. 

O índice de propriedades declaradas na segunda etapa foi de 78,43%, ou seja, 77.558 propriedades rurais. A segunda etapa foi realizada entre os dias 3 de novembro e 19 de dezembro do ano passado. Já a primeira etapa foi nos meses de junho/julho de 2020, para todos os bovinos e bubalinos, e o índice alcançado foi 89,35% de animais. Geralmente, o calendário de imunização ocorre em maio e novembro, mas por causa da pandemia do novo coronavírus houve prorrogação das datas. 

De acordo com a Adagri, há um número elevado de criadores "inadimplentes", ou seja, que não estão comprovando a vacinação nas últimas campanhas. O quantitativo, entretanto, não foi divulgado e reflete na dificuldade para alcançar a meta definida pelo Mapa. 

Atualização 
Em dezembro de 2020, o governo do Estado sancionou a Lei n° 17.355, que permite aos criadores atualizarem os dados dos seus rebanhos, sem sanção, até o próximo 17 de maio. 

Antes da lei que dispensa penalidades para os criadores em atraso – que deixaram de vacinar o rebanho ou de declarar a imunização, havia previsão de cobrança de multa no valor de R$ 22,50 por animal. 

“Solicitamos que todos os criadores que não estejam em dia com as obrigações com a Adagri que aproveitem a lei e o prazo e procurem os escritórios da Agência, Ematerce, secretarias de Agricultura e sindicatos conveniados com a Federação da Agricultura do Estado do Ceará (Faec) para atualizar as situações sanitárias e cadastrais”, pontuou o coordenador estadual da campanha de vacinação contra febre aftosa, Joaquim Sampaio Barros. 

Joaquim Sampaio acredita que, quando houver a atualização do número do rebanho e da imunização por parte dos criadores, “os índices vacinais irão a meta e muito em breve vamos solicitar o status de zona livre de febre aftosa sem vacinação”. 

Rebanho 
De acordo com os dados atuais da Adagri, o Ceará tem cerca de 2,6 milhões de bovinos e 1,4 mil de bubalinos.

(Fonte: Diário do Nordeste)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.