Header Ads

Vídeo: Águas do São Francisco mudam paisagem dos rios no Cariri

Desemboque do Cinturão das Águas, liberando água do São Francisco para o Riacho Seco. FOTO: Antonio Rodrigues

A liberação das águas do Rio São Francisco pelo chamado “eixo emergencial” do Cinturão das Águas do Ceará (CAC), no último dia 1º, mudou o cenário de riachos e rios que cortam a região do Cariri. Além de aumentar seus volumes, encheu de esperança os olhos de agricultores e pescadores que vivem em suas margens. Os recursos hídricos, almejados há muitos anos, já percorreram 264 quilômetros, desde a barragem de Jati, desembocando no rio Jaguaribe em direção ao Açude Castanhão, para garantir a segurança hídrica da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).

Há um ano, também na primeira semana do mês de março, a equipe do Diário do Nordeste visitou o Riacho Seco e a Cachoeira de Missão Velha, em Missão Velha, ainda na expectativa pelas águas do Velho Chico. O primeiro, como o nome mesmo diz, estava completamente seco. Já a Cachoeira, ainda formava suas belas quedas d’água pelas precipitações sobre Crato, Juazeiro do Norte e Barbalha e que seguem até lá pelo Rio Batateira, mas sem o mesmo volume.

“Nunca imaginei que o São Francisco estaria correndo no quintal de minha casa”, confessa o agricultor Roberto Silva, que mora ao lado do Riacho Seco. Natural de Aurora, há três anos se mudou para a zona rural de Missão Velha e trabalha cultivando banana. Com o rio cheio, nutre esperança. “Vai trazer muito benefício para a população que tem seus terrenos perto do rio. Quem sabe, pode cultivar mais verdura aqui, no Coité e Canabrava”, observa, citando as comunidades vizinhas. “Ainda tem o benefício de trazer água para quem não tem. Ajudar quem necessita”, projeta.

O agricultor Expedito João Xavier já é mais contido. “A água aqui vai descer para o Castanhão, para abastecer Fortaleza”, comenta. Mesmo assim, a passagem do São Francisco por suas terras é benéfica. “Tem época que aqui a seca é grande. Então, acredito que vai descer muito peixe. Falam que são mais de três metros de água de lá para cá. Com muita gente precisando, isso chegou e a gente fica de braços abertos”, completa.

Vídeo:


Ampliação

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), o volume liberado para o CAC é de 10m³/s. No entanto, em campo, será avaliado a capacidade de ampliar para 12 m³/s. A decisão de liberar a água neste mês de março foi motivada, justamente, para minimizar a perda de água durante o percurso. “As calhas dos rios estão bem úmidas e com algum fluxo natural, contribuindo para diminuir as perdas por infiltração, evaporação e por retiradas. Ninguém irriga na chuva. Deste modo, o tempo de viagem da água será menor que seria no segundo semestre, com leitos dos rios secos”, explicou o secretário de Recursos Hídricos do Estado, Francisco Teixeira.

Mais à frente, o pescador Francisco José da Silva, o Titico, morador do sítio Araçá, em Aurora, se surpreendeu com o volume que corre pelo rio Salgado. Ao longo de seus 79 anos de vida, o afluente foi sua principal fonte de renda, a partir da captura e venda de peixes como piau e curimatã. Nos últimos anos, com as chuvas mais escassas, a atividade foi se enfraquecendo e, por isso, ver o Velho Chico passando na frente da sua casa o emociona. “Nem imaginava. Já estou com uma idade tão alta, quase nos 80, e vê assim, é muito bonito”, confessa.

Em época de cheia, a “fartura” é tão grande que chegava a vender peixes em Missão Velha, Barbalha, Crato e Juazeiro do Norte “e já voltava de lá com minha feira”, lembra Titico. “E não parava. Se tivesse peixe, vendia. Era tanto, que terminava dando ao povo”, completa. Com o São Francisco, imagina essa riqueza retornando e também melhorando as condições dos agricultores. “Só se o povo não tiver coragem de trabalhar. Vai melhorar para todo mundo. Em beira de rio, que a terra é úmida, tudo que planta dá. Melhor do que limpar roça cheia de toco. O que vale é ter inteligência e correr para aquilo ali”, acredita o pescador.

O Projeto de Integração do Rio São Francisco (Pisf) tem como atendimento prioritário o abastecimento humano de aproximadamente 400 municípios, nos estados do Ceará, de Paraíba, de Pernambuco e do Rio Grande do Norte. A obra, complementarmente, atenderá as comunidades rurais que estão distribuídas ao longo dos eixos. As águas do São Francisco “funcionarão como uma fonte hídrica permanente para o uso preponderante da população, que é o abastecimento humano, urbano e complementarmente rural”, completou a SRH. Como exemplo, citou o projeto Malha D’água, que criará quatro sistemas partindo do canal do CAC com adutores que levarão a água a dezenas de municípios, distritos e as comunidades rurais.

Monitoramento

A Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) está monitorando, diariamente, o percurso do recurso hídrico pelo fluxo natural dos rios até a chegada no açude Castanhão. Um sistema criado a partir de seções poderão acompanhar se há perda de volume durante o trajeto, seja por infiltração, evaporação ou retirada.

Ao todo, o monitoramento acontece em 14 seções instaladas ao longo dos de 347,5 quilômetros de distância, desde a comporta na barragem de Jati até o açude Castanhão. Especificamente do desemboque do eixo emergencial, que liberou a água ao Riacho Seco, até o maior reservatório do Estado, são 294,1 quilômetros de trajeto. Na última atualização, as águas do São Francisco alcançaram a seção de Cruzeirinho, em Icó, que fica a 211,2 quilômetros da liberação do Riacho Seco.

(Fonte: Diário do Nordeste)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.