Header Ads

Santana do Cariri manterá lockdown, mesmo com decreto de flexibilização

FOTO: Site Gazeta do Cariri

A Prefeitura de Santana do Cariri anunciou nesta segunda-feira (12), que irá manter vigente o decreto municipal de isolamento social mais rígido, apesar da medida vigente pelo Estado que permite a flexibilização de algumas atividades, e restringe o lockdown apenas para os fins de semana nas cidades cearenses. O município deve manter o comércio e os serviços não essenciais fechados por mais uma semana para conter o avanço do novo coronavírus.

Com cerca de 17 mil habitantes, segundo estimativa IBGE, Santana do Cariri já registrou 547 casos de Covid-19 e 18 mortes em decorrência da doença. As informações estão na Plataforma IntegraSUS, gerenciada pela Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa). O boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde, nesta segunda (12), informou ao menos seis casos de reinfecção por pessoas que testaram positivo para a doença duas vezes em um intervalo de 90 dias, e que há 137 pessoas em isolamento domiciliar com suspeita de terem contraído o novo coronavírus. Outros dois pacientes internados com sintomas respiratórios também aguardam diagnóstico.

O novo decreto municipal de isolamento social, assinado pelo prefeito Samuel Cidade (DEM), prorrogou o lockdown na cidade até o dia 18 deste mês. A manutenção das medidas mais restritivas, de acordo com o prefeito, leva em consideração as recomendações do Comitê Municipal de Enfrentamento à Covid-19. “Os índices ainda são alarmantes e os técnicos consideraram que não é o momento de flexibilizar. Esperamos que com essa medida a gente consiga reduzir os números nas próximas semanas”, disse o chefe do Executivo.

Com a manutenção do lockdown, as atividades do comércio não essencial continuam proibidas de funcionar presencialmente. Os estabelecimentos podem atender apenas no sistema delivery. Durante a vigência do decreto, só estão autorizados a funcionar serviços públicos essenciais; hospitais e demais unidades de saúde; farmácias; clínicas odontológicas e veterinárias; empresas de segurança privada; postos de combustíveis e funerárias.

(O Povo)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.