Header Ads

'Não está dando certo o ministro Vélez', diz Bolsonaro sobre o MEC


O presidente Jair Bolsonaro (PSL) admitiu, na manhã desta sexta-feira (5/4), em entrevista a jornalistas no Palácio do Planalto, que não está satisfeito com a gestão do ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodrigues. "Não está dando certo", afirmou o presidente.

Bolsonaro também disse aos jornalistas que teve uma longa conversa com o ministro, na tarde dessa quinta-feira (4/4), quando detalhou os problemas que enxerga no ministério. Ele não revelou os erros apontados ao ministro. 

Sobre a permanência de Vélez no cargo, o presidente foi taxativo: "Esperem segunda-feira (8/4). De algum jeito será decidido". Perguntado sobre o desempenho do ministro, o presidente se calou. Preferiu destacar as qualidades pessoais de Vélez. Para Bolsonaro, o ministro "é uma boa pessoa, de coração grande, bom para conversar."

No entanto, em Campos do Jordão (SP), Vélez afirmou que não vai entregar o cargo. A declaração foi dada após ser questionado sobre a declaração de Bolsonaro. O ministro indicou que, se deixar a pasta, será apenas por uma decisão do presidente. 

Gestão
O ministro Ricardo Vélez Rodrigues está na corda bamba desde que entrou em rota de colisão com Olavo de Carvalho, reconhecido 'guru' do presidente, e militares que ocupam postos chaves no governo federal.

O descrédito de Vélez está relacionado a declarações polêmicas, entre elas a obrigatoriedade da execução do hino nacional nas escolas de ensino fundamental e médio, ideia da qual ele acabou voltando atrás; a frase de que as universidades públicas "não são para todos"; a de que brasileiros 'Viajando são canibais"; a de querer colocar em livros didáticos patrocinados pelo MEC slogan de campanha de Bolsonaro, o que é vetado em lei; e a proposta de revisar livros didáticos que abordam o golpe de 64.

O caso mais ruidoso, no entanto, aconteceu durante sabatina na Câmara dos Deputados, na quinta-feira passada (27/3), quando a deputada Tabata Amaral (PDT/SP) perguntou ao ministro, depois de uma crítica enfática à gestão dele: "Cadê os projetos, ministro?".          (Jornal Estado de Minas)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.